13.5 C
Brasília
28/06/2022
InícioNotíciasBrasilInimigos já temem que Jair Bolsonaro se reeleja no 1º turno

Inimigos já temem que Jair Bolsonaro se reeleja no 1º turno

Juristocratas agem como analfabetos políticos? No mínimo, mostram-se muito ruins de leitura política-conjuntural. É impossível que não tenham percebido que a máquina política, nesses tempos de eleição, vem para o enfrentamento com o Poder Togado, que a ameaça diretamente.

Maioria do MDB descola da cúpula e negocia apoio reeleitoral ao presidente; Bolsonaro pode usar reforço na base aliada para ampliar enfrentamento político ao STF e tensão institucional deve aumentar

A turma do Establishment começa a dar sinais públicos de desespero com a possibilidade, cada vez mais concreta, de que a eleição presidencial de 2022 possa ser decidida, logo no primeiro turno, a favor de Jair Messias Bolsonaro. Embora pareça interminável o estoque de conspirações e sabotagens institucionais contra o Presidente, junto com o constante e permanente massacre midiático, politicamente Bolsonaro continua demonstrando resiliência e resistência. Além disso, o presidente tem a máquina, a (às vezes incômoda) sustentação política do “Centrão” no Congresso Nacional e (o que mais incomoda os adversários e inimigos) um consistente e sincero apoio popular. O fenômeno independe do pagamento do Auxílio Brasil ou das muitas (e ainda desconhecidas) realizações estruturais do governo federal). Decisiva é a comunicação direta e diária, pessoalmente ou via internet, que Bolsonaro mantém com o cidadão-eleitor-contribuinte. A oposição, sem empatia popular e proposta concreta para melhorar o Brasil, fica cada vez mais perdida.

A crise institucional está longe de se resolver. Nada garante que um resultado eleitoral, favorável a Bolsonaro, consiga melhorar a situação de extrema gravidade. Não dá sinais de trégua, nem de que possa ser neutralizado e superado, no curto prazo, o sistema do Crime Institucionalizado definido como a associação delitiva entre criminosos de toda espécie e membros da máquina estatal em todos os poderes e instâncias da República Federativa do Brasil. A camaleônica Cleptocracia tem poder real (político e financeiro). Por isso, a bandidagem institucionalizada se reinventa, permanentemente, para subjugar a população e o governo. O lamentável e perigoso é que muitas autoridades e políticos têm se comportado, por ação ou omissão, como agentes criminosos. A novidade (positiva) é que a maioria do eleitorado consegue perceber e constatar como atuam os “criminosos oficiais”. Os bandidos seguem protegidos pela impunidade, porém não são mais “invisíveis”.

Alexandre Garcia e Jair Bolsonaro

Todo mundo já cansou de ouvir a frase: “As instituições funcionam normalmente”. Costuma ser repetida, como um mantra, pelos chefes militares na ativa ou na reserva, sempre que “aperta” o calo da crise institucional. Mas a “regra” é desmentida pela realidade dos fatos. O Crime Institucionalizado não pode ser considerado “normal”. Tanto que os cidadãos de bem e do bem reagem, em protestos, nas redes sociais da internet e nas ruas. Não suportam mais os abusos de autoridade, os flagrantes desrespeitos legais (principalmente à Constituição) e as continuadas práticas criminosas. Tudo isso alternando impunidade conveniente aos bandidos com rigor seletivo aos “inimigos”.

Há muito tempo se agrava a chamada “Guerra de Todos contra Todos”. Os poderes brigam entre si e a pancadaria sai do controle. Executivo e Legislativo os poderes eleitos pelo voto (aparentemente livre e) direto sofrem a pressão direta do Judiciário (que deveria cuidar do equilíbrio entre as relações). Só que não. A suposta Democracia tem cedido espaço a um regime que parece legal, mas tem nada de legítimo: A Juristocracia. O “Poder Supremo” que originalmente é o popular  acaba substituído pelo poder do mecanismo judiciário que às vezes parece “judasciária”. Formada pela polícia judiciária, o Ministério Público e a magistratura, a “máquina” juristocrática tem exercido hegemonia sobre os demais poderes. O curioso e preocupante é que a falha estrutural conta com a conivência (ops, apoio) de muitos políticos (eleitos em nome de uma “democracia” que não existe, de verdade, na prática. Afinal, Democracia é a Segurança do Estado de Direito.

A História ensina que abuso de autoridade tem limite. A turma do Establishment, que vive numa bolha do poder, prefere não acompanhar e encarar a realidade dos fatos. Por isso, segue na estratégia suicida de confrontar Jair Bolsonaro até que ela cometa um erro e parta para algum “golpe” que tente fechar o regime. Acontece que Bolsonaro e os militares já perceberam a manobra e não desejam cair nesse “golpe”. Assim, o Presidente vai usar o reforço na base aliada para ampliar o enfrentamento à juristocracia. Alguns ministros do STF insistem na tática de guerra aberta a Bolsonaro. A questão é que não percebem o óbvio ululante da arriscada manobra. O fenômeno mais perigoso e lamentável da conjuntura é a desmoralização pública da imagem do Supremo Tribunal Federal. Uma Corte Constitucional que jamais poderia funcionar como um tribunal originário para julgar qualquer coisa não pode se desmoralizar. A derrocada imagética do STF beneficia Bolsonaro. A maioria do povo está ao lado dele e não dos togados.

Presidente Jair Bolsonaro & Luciano Hang das lojas HAVAN

Juristocratas agem como analfabetos políticos? No mínimo, mostram-se muito ruins de leitura política-conjuntural. É impossível que não tenham percebido que a máquina política, nesses tempos de eleição, vem para o enfrentamento com o Poder Togado, que a ameaça diretamente. O STF errou na mão no tamanho da condenação a Daniel Silveira (PTB/RJ). A decisão assustou a maioria parlamentar que descobriu, tardiamente, que errou ao entregar a cabeça de Silveira ao Supremo. Bolsonaro deixou todos sem graça ao conceder a graça constitucional que perdou Silveira. Liderado por Alexandre de Moraes, o STF ensaia uma rebelião contra a decisão absolutamente legal e constitucional de Bolsonaro. O “inquérito do fim do mundo” prossegue. E o STF ainda relativiza a imunidade parlamentar do senador Jorge Kajuru (Podemos/GO). O Supremo estica a corda se é que ela ainda existe.

Nesse momento, surge a novidade no front. Nada menos que 70% dos membros do Diretório Nacional do MDB não querem candidatura própria e fazem de tudo para arrumar um jeitinho de fechar um acordo com Bolsonaro. Acontece que, para vir para a base aliada, o MDB terá de dar toda prova de lealdade ao Presidente. A moeda de troca é o apoio político para o enfrentamento ao poder supremo. Por tudo isso, a tensão institucional está longe de relaxar. A reeleição de Bolsonaro se consolida. Pode vencer no primeiro turno, porque o PT derrete e nada indica que a terceira via surgirá com viabilidade. O jogo embrutece, mas não ocorrerão “anomalias graves” como intervenção militar, fechamento do Congresso ou do Supremo e nem fraude eleitoral. Só tem um detalhe: Haja calmante!

Fonte: Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan

Redaçãohttps://bloginformandoedetonando.com.br/
Mandando bala na notícia, informando e detonando de uma forma que você nunca viu! Obrigado por acessar nosso blog!

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -