26.5 C
Brasília
18/05/2024
InícioNotíciasDistrito FederalFraga tenta pautar “armamento” até terça, quando estará com Bolsonaro

Fraga tenta pautar “armamento” até terça, quando estará com Bolsonaro

Por Caio Barbieri

Coordenador da Frente Parlamentar de Segurança Pública, o deputado federal Alberto Fraga (DEM/DF) espera informar ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), até a próxima terça-feira (6/11), a data de votação do projeto que flexibiliza o Estatuto do Desarmamento.

A pedido do próximo futuro comandante do Palácio do Planalto, o democrata tem costurado com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), a inclusão da proposta na pauta do plenário.

Mais sobre o assunto:

“Estamos bem afinados com essa questão e queremos priorizar a exclusão do item que exige comprovação da necessidade para o porte de arma. É um completo absurdo e subjetivo. Esse critério é atendido a depender da cabeça da autoridade que receber o processo. Queremos uma avaliação técnica, como é o exame psicotécnico”, disse.

Bandeira de campanha de Jair Bolsonaro, a mudança na atual legislação sobre armamento virou a principal pauta da também conhecida “bancada da bala” no Congresso Nacional.

Além de suprimir no texto a exigência de se comprovar a necessidade do porte de arma de quem quiser um artefato, os integrantes da frente parlamentar defendem a liberação para moradores de áreas rurais, “desde que seja permitido o uso apenas dentro da propriedade”, condiciona Fraga.

Ministério fora de questão

O encontro entre Fraga e Bolsonaro será o primeiro após a polêmica sobre a possível participação do democrata na equipe ministerial do futuro presidente. Depois de o pesselista declarar que o colega de farda “coordenaria a bancada no Planalto”, houve grande especulação sobre uma possível nomeação do deputado federal na pasta que cuida da articulação política da Presidência da República.

No entanto, com a rejeição nas redes sociais, já que Fraga foi condenado em primeira instância a 3 anos e 2 meses de prisão por uso do cargo em troca de vantagens pessoais na época em que foi secretário dos Transportes no DF, Bolsonaro foi às redes sociais desmentir o convite.

Nesta sexta (2), ele comentou o assunto ao Metrópoles. “Eu nunca tive expectativa de ser ministro e não pedi nada a ele. Pelo contrário, nosso objetivo maior é retomar as agendas positivas defendidas na campanha do Bolsonaro. Sobre minha condenação, quero revertê-la porque sou inocente. Não tem nada dessa balela de que é para ser ministro”, disse.

Fonte: Metrópoles

Redação
Redaçãohttps://bloginformandoedetonando.com.br/
A diferença entre a política e a politicagem, a distância entre o governo e o ato de governar, o contraste entre o que eles dizem e o que você precisa saber, o paradoxo entre a promessa de luz e o superfaturamento do túnel. Tudo isso com a sua opinião na caixa de comentários. Obrigado por acessar o portal!

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -