17.1 C
Brasília
12/04/2021
InícioNotíciasBrasilCNJ arquiva queixa contra concessão de prisão domiciliar para Queiroz

CNJ arquiva queixa contra concessão de prisão domiciliar para Queiroz

Para Humberto Martins, não cabe intervenção para avaliar acerto ou desacerto de decisão judicial

O corregedor nacional de Justiça, Ministro Humberto Martins, arquivou reclamação disciplinar apresentada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania/SE) contra o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha. O parlamentar questionava a concessão de habeas corpus em favor de Fabrício Queiroz, suspeito de participação no esquema das ‘rachadinhas’ no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro e atual senador pelo Republicanos do Rio de Janeiro.

Humberto Martins entendeu que a conduta indicada pelo parlamentar como possível infratora do dever de imparcialidade refere-se a matéria de cunho estritamente de atividade jurisdicional. A decisão questionada pelo senador também beneficiou a esposa de Queiroz, Márcia Aguiar, que estava foragida quando foi beneficiada pelo habeas corpus.

Em sua decisão, o corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) afirmou ser incabível a intervenção da Corregedoria Nacional de Justiça para avaliar o acerto ou desacerto de decisão judicial, cabendo recursos próprios aos tribunais competentes.

“Não é competência do Conselho Nacional de Justiça apreciar matéria de cunho judicial e sim, de natureza administrativa e disciplinar da magistratura. No caso concreto, em que houve decisão proferida em plantão judiciário do STJ pelo presidente do Tribunal da Cidadania, somente cabe recurso para o Supremo Tribunal Federal”, disse o corregedor nacional.

Ministro João Otávio de Noronha, presidente do STJ

Cada caso é um caso

O ministro Humberto Martins destacou também que a existência de resultados diversos em processos judiciais distintos não se constitui, por si só, indicativo de parcialidade do julgador. Segundo ele, cada caso deve ser analisado e decidido individualmente de acordo com a sua especificidade.

“Assim, a aparente contradição entre resultados de julgamento não é elemento caracterizador de parcialidade do julgador quando desacompanhado de indícios de outra natureza. Muitos dos casos são assemelhados e não iguais para terem uma decisão uniforme”, afirmou o ministro.

Martins salientou ainda que não foi indicado nenhum outro elemento pelo senador, além do próprio resultado da decisão judicial, que possa ser conjugado com o resultado do julgamento para configurar indício de parcialidade do magistrado ou mesmo desvio de conduta ética.

Diante do arquivamento do procedimento, o pedido alternativo de instauração de sindicância foi julgado insubsistente, “uma vez que não se verificou justa causa para a sua instauração, que ocorre quando há elementos mínimos indicativos de desvio de conduta, o que não se verifica no presente pedido”, decidiu o corregedor nacional.

Fonte: Diário do Poder

Redação
Redaçãohttps://bloginformandoedetonando.com.br/
Mandando bala na notícia, informando e detonando de uma forma que você nunca viu! Obrigado por acessar nosso blog!

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias